open call

«Mundo Estranhamento»

O conceito “estranhamento” é a técnica artística que consiste em apresentar coisas comuns de uma forma pouco familiar ou estranha, conferindo-lhes novas perspectivas e uma visão diferente do mundo. Este conceito foi introduzido por Viktor Shlovsky no seu ensaio “Art as Technique” (NT: “Arte como Técnica”), no início do século XX, cujo conceito lançou as bases dos tempos modernos e pós-modernos. A universalidade do estranhamento como técnica inspirou Bertolt Brecht a desenvolver, na sua prática artística e estética, o “efeito de alienação” ou “efeito de distanciamento”. De acordo com Brecht, a alienação não é apenas colocar a representação na posição de incognoscível, mas auxiliar o público a superar a sua própria subjetividade.

As circunstâncias atuais, de pandemia e o consequente estilo de vida no online, reverteram a situação da cena artística; se antes artistas tentaram alienar o público, agora artistas são alienados pelo mundo, no que concerne a como existir/criar/expor enquanto em confinamento. A pandemia acabou por dar as condições para que os profissionais das artes desenvolvessem uma linguagem que convertesse gestos do offline para o online ou, literalmente, em distanciamento.

A precariedade global, que tem vindo a intensificar-se com a pandemia, reforça a urgência de se encontrar reparação social e cultural, a necessidade de se pensar num novo modo de funcionamento da cena artística e perceber como recuperar o modelo antigo, do qual, possivelmente, já não haverá retorno. À medida que nos apercebemos que as vagas de contaminação não são do nível um, dois ou três, são talvez incontáveis, então é necessário conceber uma zona funcional e um plano de existência para a arte.

Do que é que precisamos, exatamente?

SUPERSONIC convidou Dasha Birukova a apresenta um projeto em sociologia da arte com o tema “Mundo Estranhamento”, uma recolha de ideias sobre a melhor forma de reorganizar o mundo das artes.

Estamos a realizar uma convocatória geral a artistas, curadores, investigadores e profissionais das artes para que partilhem como se sentem perante a situação gerada pela pandemia, e como isso está a afetar a prática artística. Queremos também saber o que precisa de mudar no mundo das artes, ou ainda, como adaptar a prática artística se tivermos de estar confinados até ao fim dos nossos dias.

As ideias/confissões podem ser anónimas ou identificadas com o nome do autor, e devem ser apresentadas preferencialmente na língua inglesa. As ideias podem ser apresentadas em forma de vídeo, áudio ou em texto, desde que não excedam 1 minuto e que se façam acompanhar de uma permissão para publicação online. Para quem deseja ser identificado, pedimos para juntar uma pequena bio à submissão.

As propostas devem ser enviadas para o email curator@supersonic.pt

Formatos dos ficheiros:
• Vídeos em formato de MP4, resolução 1920X1080
• Ficheiros áudio em mp3
• Textos em formato PDF
Os ficheiros podem ser anexados ao email ou colocados num servidor externo (YouTube, Vimeo ou SoundCloud) com indicação do link para o vídeo no corpo do email.

As propostas selecionadas serão publicadas no site www.supersonic.pt em Abril de 2021.
Informações e dúvidas devem ser enviadas para o email curator@supersonic.pt.

O prazo para entrega de candidaturas é a 05 de Abril de 2021 – 17hr (GMT +1)

Dasha Birukova (1985, Moscovo, Russia) é curadora e escritora, atualmente a viver em Lisboa. É licenciada em História da Arte pela Universidade Russa para as Humanidades (RSUH), e em História do Cinema pela Universidade Russa de Cinematografia (VGIK); ambas em Moscovo. Especializou-se em cinema experimental, vídeo, media e arte sonora.

Foi curadora do programa “New Media” do Centro Nacional de Arte Contemporânea de Moscovo, onde também colaborou como co-curadora no Festival de Media Art “VideoFocus”. Foi co-curadora de “Error Message”, exposição integrante da IV Bienal Internacional de Arte Jovem de Moscovo, e integrou a equipa de “Geometry of Now”, projeto com curadoria do artista britânico Mark Fell, organizada pela Fundação VAC, em Moscovo.

Foi curadora da exposição “Pink Flamingos” no espaço de artes BLEEK, na Bélgica, e co-curadora de “Corpora Aliena” no art lab Iklectik, em Londres.
Em Lisboa, foi responsável pela curadoria da programação de vídeos “Fórmula for Fantasy” na Galeria Quadrum e da exposição em 6 sessões “Pink Flamingos”, na Rua das Gaivotas 6.